8 de janeiro de 2022

“Salto baixo. Por que estar por baixo quando se pode estar por cima?”

Essa polêmica e intrigante frase (ao menos para mim), é o primeiro item descrito na página 8 do livro Como ser uma parisiense em qualquer lugar do mundo, na página intitulada “O que não entra no armário de uma parisiense. Mas deixemos a afirmação polêmica mais discutirmos mais para frente hahaha.

O que muitos não sabem é que o salto foi criado não apenas por um homem, mas para o uso de um homem que não gostava muito de medir 1,60. Com toda a certeza se você tem certo gosto por moda e história já deve ter ouvido falar de Versalhes ou sobre o Rei sol, Luís XIV que ditava senão todas, a maioria das tendências na França. Há diversas referências históricas que mencionam a criação por outras culturas e povos, inclusive o uso de plataformas como símbolo de honra, prestígio e poder sendo usados por homens e mulheres.

Mas nosso foco aqui são os saltos bloco, no início causaram certa polêmica sendo apelidados de “salto da vovó”, mas desde 2017 invadiram o vestuário feminino de vez, e nem preciso enfatizar muito os motivos. Além do conforto e estabilidade, o mesmo se provou capaz de se ser versátil a ponto de atender tanto um look praia como um look festa.

O salto bloco tem se tornado uma peça chave, se terá prazo de validade assim como as sapatilhas, apenas o tempo irá nos dizer. Por qual motivo digo isso das sapatilhas? Elas por um bom tempo foram imprescindíveis no cotidiano feminino, e isso durou bastante tempo, hoje fazem parte de uma identidade visual de quem a aderiu como parte do próprio estilo, não por ser uma tendência, assim como Constanza Pascolato que faz combinações atemporais.

Quando se trata de consultoria de imagem e estilo, encontramos diversas dicas e sugestões de quais modelos e cores melhor agregariam a imagem de cada um, seja alongando ou achatando, afinando ou preenchendo, destacando ou disfarçando. Se sua escolha segue sugestões de tendências, consultorias ou apenas sua intuição, o fato é que as queridinhas estão por todo canto e prometem ficar por muito mais tempo!

Sou suspeita em falar, por isso logo no início coloquei a frase do livro (que inclusive sugiro às mentes curiosas e questionadoras hahaha, o livro conta com diversas afirmações intrigantes e questionáveis). Apesar de amar salto alto, tenho me tornado uma adepta do salto bloco que tem tomado cada vez mais espaço em meu closet, mas ainda não abri mão das alturas 100%.

Ame ou odeie, o salto faz total diferença na composição do look e há tantos modelos com incontáveis nomes que sou incapaz de memorizar as compartilhar com vocês. Mas aqui vai a pergunta do dia: você prefere estar nas alturas ou uma boa estabilidade nos pés?

Obs.: O livro Como ser uma parisiense em qualquer lugar do mundo encontra-se disponível na livraria Leitura, fica a dica.

* Por Séfora Guimarães

Tem interesse em receber mais material , se cadastre abaixo:

8 de janeiro de 2022